in ,

A cidade perdida de Machu Picchu

Considera-se que quem fez o descobrimento científico de Machu Picchu foi Hiram Bingham, historiador norte americano, filho de missionários, que nasceu em 1875 em Honolulu no Hawaii.

Bingham empreendeu diversas expedições pela América do Sul no início do século XX sendo que em 1909 esteve no Peru pela primeira vez. Nesta época existiam muitos mitos acerca da existência dos tesouros dos Incas que segundo a tradição haviam sido transportados por Manko Inka em sua retirada para uma cidade chamada Willkapanpa ou Vilcabamba (willka = sagrado, panpa = lugar). Essas lendas motivaram Bingham a ouvir as histórias e a pesquisar em velhos arquivos espanhóis do século XVI.

Ao que tudo indica, quando Bingham esteve no Peru em 1909 estava inteirado da existência de cidades “perdidas” nas montanhas do vale do rio Urubamba, através da leitura de cronistas que se referiram a Vitcos e Vilcabamba no século XIX. Entre estes cronistas destaca-se o escritor inglês Charles Winner que publicou um livro em 1880 onde descreve suas viagens através do Peru e da Bolívia e menciona num mapa os nomes de Machupicchu e Waynapicchu. (Perou et Bolivie. Recit de voyage, suivre Etudes Archeologiques et Ethnographiques et de notes sur l’ecriture et las langues des Populations diennes. Librairie Rachette et Cie.. Paris 1880, 796 pág. 27 mapas e 18 desenhos). Outras referências sobre Machupicchu e Waynapicchu, antes de Bingham, podem ser encontradas no Arquivo Histórico da Universidade de Cuzco nos documentos referentes à limites e domínios da fazenda “Cutija” ou ainda em documentos sobre os limites da província de Urubamba.

Em 1910 o norte-americano Alberto A. Giesecke torna-se reitor da Universidade Nacional de Cuzco e passa a apoiar toda iniciativa referente à arqueologia. Em 1911 ele visita a fazenda “Echarati”, na então região de Mandor, de propriedade de Don Braulio Polo y la Borda e ouve deste que em sua propriedade haviam diversas construções antigas cobertas de vegetação e que entre elas se destacava umas ruínas num local chamado de Machupicchu pelos moradores locais. De volta a Cuzco, Alberto Giesecke escreve a Bingham sobre estas referências. Neste mesmo ano Bingham retorna ao Peru com o objetivo de estudar geologia e botânica e procurar Willkapanpa que ouvira nas histórias locais. Em Cuzco, Alberto Giesecke, o apresenta a Braulio Polo dono da fazenda em Mandor quem confirmou a Bingham sobre os fatos. Braulio posteriormente apresentou Bingham a Eduardo Lizárraga, que era um arrendador de terras na região desde os anos 1870 e que havia visto pessoalmente as construções.

Em 23 de julho de 1911 Bingham foi até Mandor com um sargento do exército peruano, que foi designado para acompanha-lo por ordem do prefeito de Cuzco. No cânion do rio Urubamba se encontraram com Melchor Artega que seria o guia para chegar até as ruínas. “Quando descobriu que eu estava disposto a pagar-lhe um sol, ou seja, três vezes o salário que ele ganhava em seus vencimentos, consistiu finalmente em ir”. No dia seguinte, após examinar o terreno, Bingham decidiu subir pelo setor onde hoje existe a estrada em ziguezague que leva seu nome

Ao meio dia de 24 de julho de 1911, chegaram a uma pequena cabana onde vivia uma família de camponeses que cultivavam as terrazas Incas e que os recebeu com “uma deliciosa água fresca e batata-doce cozida”. Após um breve descanso um dos filhos dos agricultores, Pablito Alvarez de 11 anos de idade, levou Bingham até as edificações que estavam totalmente cobertas pela vegetação de vários séculos. “Centenas de terraços para cultivo se erguiam em camadas como gigantescos degraus”. “Esse espaço todo seria suficiente para alimentar uma cidade inteira!”. Bingham tinha então 35 anos de idade.

“Na minha excitação, esqueci o cansaço e corri até o emaranhado de galhos”. Naquele momento, depois de derrubar um pouco do mato de alguns setores, Bingham acreditou que havia encontrado Willkapanpa, o último refúgio do líder Manko Inka e posteriormente pensou mesmo estar em Pacaritambo (“pousada do amanhecer”), de onde os Irmãos Ayar, um dos dois mitos da origem do povo Inca, haviam empreendido sua marcha até Cuzco (A outra lenda de origem dos Incas diz que o primeiro Inca, Manco Capac e sua esposa, Mama Ocllo emergiram do lago Titicaca). Mas anos depois comprovou-se que as suposições de Bingham estavam incorretas.

Logo em seguida a esse primeiro contato, Bingham retornou aos EUA onde obteve apoio financeiro da Universidade de Yale e da National Geographic Society para realizar trabalhos de exploração em Machupicchu. Em seu retorno em 1912 o governo peruano lhe concedeu uma autorização para executar seus projetos inclusive permitindo tirar livremente do país as peças obtidas durante suas explorações, desde que prontamente devolvidas quando solicitadas pelo Peru. Hoje, tem-se consciência que foi uma autorização que infringiu muitas normas e causou um dano irreparável à herança cultural do Peru. Neste mesmo ano, Bingham esteve em Copacabana e Tiahuanaco na Bolívia.

Em 1915 ele retornou ao Peru, patrocinado pelas mesmas entidades, e realizou uma segunda expedição explorando as construções que estão ao longo do Caminho Inca e as vias de acesso à região.

Alguns historiadores peruanos alegam que Bingham pilhou e não “descobriu” Machupicchu. Segundo estes historiadores, com ajuda de uns e ignorância de outros, Bingham levou grande quantidade de objetos de ouro, múmias e obras de arte que hoje estão espalhados em coleções particulares e em alguns museus nos EUA. Algumas peças das expedições de Bingham podem ser vistas em exposição no museu Peabody da universidade de Yale.

Outros afirmam que Machupicchu foi redescoberta pela primeira vez em 14 de julho de 1901 pelos agricultores peruanos Mariano e Agustín Lizárraga que deixaram uma inscrição com seus nomes e a data de chegada num dos monumentos.

É certo no entanto que foi Bingham quem revelou Machupicchu para o mundo. Antes dele outros já haviam estado pelas ruínas da eterna cidade, mas sem o interesse histórico e científico com que Bingham explorou o local.

Essa dica foi útil para você? Por favor, então deixe um comentário e compartilhe também nas suas redes sociais. Este site é feito com muita dedicação e seu apoio/participação realmente nos ajudará a mantê-lo no ar.



TOP 6 DICAS PARA ECONOMIZAR NAS VIAGENS

  • SEGURO VIAGEM - Não faça a besteira de viajar sem um Seguro de Viagem. Na Europa é obrigatório! Faça uma cotação online para ver o quanto é barato viajar tranquilo. Pague no cartão de crédito em até 12x ou com desconto no boleto bancário. Use nosso cupom: VIAGENS5 para um desconto extra de 5%.
  • HOSPEDAGEM - Somos parceiros do Booking.com que garante os melhores preços de hospedagem em qualquer lugar no mundo! Você reserva antecipado, pode cancelar e alterar quando quiser. Faça a sua reserva através do nosso link.
  • CHIP DE CELULAR - Já saia do Brasil com seu Chip Internacional 4G funcionando. Tenha conexão em mais de 140 países para usar o Whatsapp, redes sociais e GPS. Já usamos o chip da EasySIM4u em diversos países e aprovamos.
  • GANHE 130 REAIS! - O Airbnb é a melhor maneira de alugar casas e apartamentos em locais únicos, com preços para todos os bolsos. Ganhe R$130 de desconto na sua primeira reserva acima de R$250. Aproveite!
  • ALUGUEL DE CARRO - Faça aqui sua cotação online entre as melhores locadoras no Brasil e no mundo. A RentCars é nossa parceira e oferece os melhores preços, em reais e sem IOF, com total segurança.
  • NOSSAS EXPEDIÇÕES - Participe das viagens que estamos organizando com nossos leitores! São roteiros exclusivos com o melhor dos destinos e hospedagens selecionadas. Junte-se aos nossos grupos VIPs e vamos viajar juntos.

LEIA TAMBÉM



Denunciar

Curtiu essa matéria?

Escrito por Mauricio Oliveira

Maurício Oliveira é social media expert, fotógrafo, videomaker, consultor de turismo, blogueiro, influenciador e empreendedor. CEO do Trilhas e Aventuras, conta suas experiências de viagens no blog Viagens Possíveis e criador de inovadoras ações de marketing de turismo, o BlogTur e o VIPBloggers. Ama o que faz no seu trabalho e nas horas vagas também gosta de viajar. Siga no Instagram e no Twitter, curta no Facebook, assista no Youtube e circule Mauricio Oliveira e Trilhas e Aventuras no Google Plus.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Conheça o Vale Sagrado dos Incas

O Mangue Seco da Tieta do Agreste