in ,

Roteiro de 8 Dias – Cicloturismo no Circuito Vale Europeu, em Timbó – SC

O Circuito Vale Europeu foi o primeiro circuito criado no Brasil para cicloturismo e é muito prático por ser um trajeto circular (sai e chega de Timbó), o que facilita bastante a logística. Localizado no interior de Santa Catarina, passa por vários povoados e cidadezinhas de colonização italiana ou alemã, quase 100% em estradas de terra, muitas casinhas de madeira com jardins bem cuidados e sem portão, fazendas, agricultura muito variada, clima delicioso, pessoas queridas, canto de passarinho, sem miséria nem violência, (bastante) comida boa, chuva, noites estreladas, História preservada…

Estrategicamente, decidimos fazer o sentido inverso do que propõe a organização, pois desta maneira, pegamos as subidas mais fortes nos primeiros dias e conseguimos conciliar a pernoite no Zinco, que vale a pena. Gostamos bastante do roteiro em sentido anti-horário e recomendamos.

1º DIA

Campinas (SP) – Timbó (SC)

Viajamos de Campinas a Timbó num dia só. Ficamos no Timbó Park Hotel (R$ 82,00/casal, hotel grande, limpo, acesso internet) e lá fizemos nosso passaporte do ciclotur (R$ 10,00 cada). Jantamos comida alemã no Thapyoka (foi aqui que deixamos nosso carro durante o pedal, o local é seguro).

mellone_vale-europeu08

2º DIA

Timbó – Benedito Novo – Cedro Alto – Rio Milanês – Palmeiras

Subindo!!! Inicia a aventura!

Hoje foram 2 subidas: 1 grande e outra monstruosa, e pegamos bastante sol! Ainda bem que foi o primeiro dia… Saímos de Timbó às 8h felizes da vida. A primeira subida era com sombra, pedalando e empurrando, fomos nos maravilhando com o cenário. Várias pequenas propriedades rurais, com plantação de coqueiro, pinheiro, abóbora, arroz, cana e milho.

Muitas pessoas simpáticas pelo caminho pra dizer “bom dia”, mas foi em Cedro Alto que encontramos a maior surpresa do dia!! Chegamos nesta vila na hora do almoço num domingo e fomos procurar por uma vendinha, até que vimos uma porção de gente aglomerada e fomos lá conferir o que era. Estava tendo uma festa local de uma das comunidades, com muita gente branquinha, de olhos azuis, cabelos louros e bochechas rosadas. O Renato foi conversar com o “Rei do Caneco”, que pelo tipo físico, era o bebedor de cerveja oficial. Ele disse que poderíamos entrar “coloca as bicicletas ali e pode entrar que tem bastante comida lá dentro!!”. Fomos entrando, olhando aquela maravilhosa surpresa, a banda começou a tocar uma música típica, entrei na fila pra comprar 2 fichas “vale meio-galeto”, mas na verdade, só pegamos um.. O meio-galeto era enorme, nós dois não conseguimos comer inteiro. Além disso, tinha arroz, batata, mandioca, salada à vontade. Um casal de cerca de 65 anos que sentou à nossa frente, destruiu tudo, só deixaram os ossinhos. O Rê também foi prosear com o Rei do Bolão (boliche) e se tivéssemos ficado mais tempo, era prosa longa garantida!

Mas era preciso tocar em frente… Subida forte pela frente, barriga cheia, preguiça, sol forte do meio dia, pedras pelo chão = combinação perfeita para garantir sofrimento por 2 horas !! E foi isso mesmo! O galeto na nossa barriga até cacarejou! Em compensação, depois disso vem um platô, com sombra e um riozinho pra se refrescar, a paisagem ficou muito bonita com mata fechada e muito verde.

Chegamos em Palmeiras às 16:30h e fomos pra Pousada do Faustino (R$ 30,00/casal, local simplíssimo, com banheiro comunitário, um pouco de pó no quarto, quartinho para guardar bici, pudemos usar a lavanderia). Não tem como errar! Só tem uma rua no vilarejo e o Faustino é pousada, bar e restaurante, como descobrimos mais tarde. Depois de tomarmos um cafezinho da tarde, tomamos banho e demos um cochilo até as 20:45h, daí levantamos para jantar… O bar do Faustino estava fechado, saímos andando para procurar uma pizzaria, um bar, qualquer coisa, mas não havia nada! Só algumas casinhas com luz apagada, cachorros andando pela rua, grilos e sapo cantando, só a luz da rua acesa, de vez em quando passava um carro. Ficamos sentados na calçada olhando aquela escuridão toda, com fome, mas contemplando felizes. Tinha uma maçã na minha bolsa, que foi a janta do Renato.

3º DIA

Palmeiras – Alto Cedro

Das 8:40 às 14:30. Em Palmeiras gastamos R$ 47,00 para os dois (hospedagem, café da tarde, café da manhã e bolachas para a trilha do dia).

Muitas subidas, iniciamos bem cedinho. A trilha inicial tinha bastante mata e sombra, clima fesco. Mais ou menos na metade do percurso a paisagem muda bastante, tornando-se seca e calorenta, com pouca vegetação (algumas de pinheiros apenas). Sem muitos locais para abastecer a água, encontramos uma cachoeirinha após 1h de trilha e um riozinho para refrescar quase no final. Lá pelas 12h furou meu pneu, remendamos e seguimos adiante. A paisagem era bem bonita nos primeiros 2/3, depois vem muita subida e fica árido demais, mas ainda assim bem mais tranqüilo que no 1o dia.

Alto Cedro: que bênção chegar no Parador da Montanha (R$ 110,00 hospedagem e R$ 40,00 o jantar por casal), a pousada mais charmosa de toda a viagem mais uma quantidade indescritível de mimos! Chegamos de surpresa, sem reserva, recebidos por 2 labradores lindos e pela Márcia, a gerente, uma pessoa muito querida, que deixou Blumenau pra viver uma vida simples, perto do lago, dos canários que ela alimenta no final da tarde… Só estávamos nós hospedados na pousada. O lugar é um sonho, com muita madeira e artesanato, quartos limpinhos e cheirosos, camas grandes, roupas de cama lisinhas e uma surpresa: havia uma maravilhosa jacuzzi para relaxar! Água morna, num lugar com vista privilegiada. Eu e Renato ficamos lá pensando na vida, e já chegando a fome, até que a Márcia apareceu com uma comidinha mais do que perfeita: arroz carreteiro, bolinhos de feijão, frango à passarinho e suco de acerola.

Que mimados!! À noite nos preparou outra surpresa: um jantar à luz de velas, com massas, salada, peixe e sobremesa (deixe o cardápio por conta dela!)

Circuito Vale Europeu
Circuito Vale Europeu

4º dia

Cedro Alto – Doutor Pedrinho

Das 10h às 14:30. Chega de chuva !!!

Começamos com o tempo bem fechado no primeiro terço da viagem, depois disso começou chuva que não parou mais. Bebemos pouquíssima água. Paramos numa capelinha linda no meio do caminho, quase sem casas ao redor, para comermos um pãozinho com queijo que trouxemos do Parador da Montanha, saímos logo porque estava esfriando o corpo. Neste percurso não há locais para abastecimento de comida e
água.

Chegamos em Dr. Pedrinho… nada em nós estava seco ou limpo, estávamos cheios de areia de cima a baixo. Com frio, sujos e com fome, fomos para a Bela Pousada, mas ninguém atendeu, estava fechada e talvez não tivesse ninguém lá. Seguimos para o Hotel Negerbon (R$ 50,00/casal, com lanche da tarde e café da manhã), recebidos pela Dona Ilda no hotel bastante simples e limpo. Depois de um banho quentinho, tomamos um cafezinho da tarde. Ela nos emprestou a lavanderia para lavar as imundícies e o varal para estender as inúmeras roupas molhadas, que não ficariam completamente secas até o dia seguinte. A chuva parou perto das 17h. Aqui não tem local que vende jornal ou revistas novas, mas tem lan house. Não que estivéssemos muito afoitos por isso, mas com tanta chuva, ficamos sem alternativa.

À noite andamos quase toda a cidade às 21h, estava um silêncio só. Parece que todo mundo já tinha ido dormir, apenas um bar-bolão-lanchonete aberto e com poucas pessoas lá. Ficamos observando como os muros das casas são baixos, algumas janelas semi-abertas, carro estacionado na rua… coisas que não vemos mais em Campinas.

5º dia

Doutor Pedrinho – Zinco

Das 9h às 14h. Haja frio !!

Zinco: hospedagem: 60,00/casal, almoço ou jantar: 20,00/casal, vinho: 6,00 a garrafa.

Com as roupas ainda muito molhadas e fedorentas, saímos bem cedo pra fugir da chuva, e até que deu certo, pois ela nos pegou só no final, na subida pro Zinco (e que subida !!). O tempo ficou bem fechado, então não passamos calor nem sede. Aqui vimos muita plantação de arroz e madeireiras. Em Benedito Novo, fomos ver a Igreja Enxaimel (dizem que é uma das poucas do estilo na América Latina) e lá encontramos a Margareth, dona da Pousada do Zinco, que nos contou que o alojamento para ciclistas era muito simples, numa antiga casa de peão e que eles ainda estão adaptando para o cicloturismo. E era isso mesmo, muito simples, mas arrumada com carinho.

A temperatura foi baixando, mas nem percebemos, ainda mais na subida power de 2km pro Zinco, deu até pra suar. Lá no alto, antes de chegar na sede, entramos por uma pequena trilha para ver a cachoeira magnífica pelo mirante. Deslumbrante !!

Chegamos na propriedade e fomos pro restaurante, onde nos receberam o Carlos e a Magda, simpático casal que nos acolheu e perguntaram se queríamos almoçar. Ô !! Ela escolheu o cardápio: bobó de peixe com camarão, pirão, arroz e farinha. De entrada: camarões fritos.

Um tempinho parados e logo percebemos o frio que estava, os dedos dos meus pés ficaram anestesiados e duros. A casa em que ficamos é extremamente simples, mas as roupas de cama são novas, chuveiro quentinho, edredon idem. Parece daquelas casinhas que víamos da estrada, simples, mas bem cuidadas e eu ficava curiosa pra saber como era dentro e quem morava lá. É assim.

Depois do almoço, um banho quente e morgar embaixo dos edredons. Estava tão frio, que olhando da janela eu tinha a sensação de que ia nevar, tudo branquinho… Nem passarinho, nem vaca à vista.

Noite: jantinha deliciosa, um dedo compriiiido de prosa e vinho tinto da região.

Circuito Vale Europeu
Circuito Vale Europeu

6º dia

Zinco – RodeioIndaial

Delicioso café da manhã com vários tipos de bolachinhas, pães caseiros, geléias e gostosuras. A Magda é extremamente prendada e fez uma merendinha deliciosa com pão de queijo e bolachas doces para levarmos. O tempo todo choveu fino sobre nós. Chegando em Rodeio (nada a ver com peões de boiadeiro!) passamos por um lugar muito excêntrico, com várias estátuas de anjos pelo caminho, feitos por um artista plástico da região. Bem curiosas !

Logo chegamos aos “Queijos Giacomina”!! Foi a própria Giacomina que nos atendeu, uma moça italiana, que aprendeu a arte dos queijos e salaminhos na Itália, com os pais. Degustamos vários e me dá água na boca só de lembrar de cada um mais gostoso tinha lá.

Já na planície de Rodeio (até chegar em Indaial é só planície, ufa!) passamos pela Vinícola San Michele, mas infelizmente estava fechada para almoço. Almoçamos no Restaurante Caminetto (Tel: 47 2284-0551), onde o dono Nilton, ficou muito surpreso em saber que estávamos fazendo o ciclotur, ganhamos um suco para cada um. Ele foi uma das pessoas que ajudou a montar esse caminho.

O restante do caminho até Indaial era meio monótono, uma paisagem repetitiva, com muita terra, poças d’água e chuva que não parava mais. Chegamos a Indaial, uma cidade grande !! nem sei se era tão grande assim, mas aos meus olhos, era uma metrópole! Estávamos tão acostumados com cidades pequenas, que desacostumamos a ver semáforos e muitos carros na rua. Ficamos no Hotel Larsen (R$ 50,00/casal com café), muito simples. Como é bom um chuveiro quente após um dia de chuva e lama! Jantamos num rodízio de pizza chamado La Vonté (nome francês, mas o lugar é simples e barato: R$ 7,90/pessoa, em frente à Prefeitura), recomendamos!

7º dia

Indaial – Pomerode

Caminho plano, bom pra descansar as pernas, vários pontos de abastecimento. Finalmente parou de chover e voltamos a ver um pouco de sol.

Pomerode: ficamos encantados com essa cidade!! As pousadas que nos indicaram para ficar, estavam lotadas, devido a um rally que estava acontecendo, então ficamos no Wunderwald (que significa “floresta maravilhosa”, tel: (47) 3395-1700), um restaurante com casinhas ao redor, em estilo Enxaimel. Eles alugam as casinhas que são uns mimos! tem banheiro espaçoso, lençol cheiroso, macio e com bordados, cama grandona, ótima recepção, um café da manhã delicioso (tinha strudel e bolachinhas alemãs em forma de coração e de bichos, com açúcar em cima ! hum….). Apesar de ser um pouco mais caro que a média (R$ 90,00/casal), vale muito a pena.

Levamos nossas bicis para uma revisão e limpeza e custou R$ 20,00 cada. Ficaram tinindo! Almoçamos numa loja de conveniência perto do portal.

Saímos para andar pela cidade à noite, tem um centrinho limpo e bonito. Jantamos no Wunderwald um macarrão caseiro e vinho da região.

8º dia

Pomerode – Timbó

Partimos num lindo dia de sol para nosso último dia de aventura… que pena… Ao contrário das outras cicloviagens, não estava tão cansada a ponto de ficar com saudades de casa. Por mim, eu viajava mais um pouquinho. Mas enfim, o ponto de partida é sempre um ponto de chegada também.

Foi a melhor cicloviagem que fizemos. O interior de Santa Catarina é um lugar apaixonante, onde as pessoas são civilizadas e educadas, as cidades limpas, as casas bem cuidadas, praticamente todas com jardim na frente e alguma fruta ou horta plantada. Dá vontade de morar lá! Imperdível !! Amamos fazer o Circuito Vale Europeu juntos.

Galeria de Fotos do Circuito Vale Europeu

DICAS:

  • Em SC chove bem o ano todo. Leve anorak, segunda pele, coisas para não ficar com frio durante a pedalada.
  • Conseguimos lavar nossas roupas em todas as pousadas que precisamos, geralmente o pessoal deixava usar a lavanderia e a centrífuga (quase todos têm)
  • Também conseguimos levar lanchinhos do café da manhã
  • No final do primeiro dia ficamos bem cansados, pois é muito puxado. Nos demais dias, o tempo de pedal não é longo e dá pra curtir bem os lugares
  • Entre em contato com a organização do Circuito Vale Europeu e lhe enviarão uma lista de lugares para comer e se hospedar: www.circuitovaleeuropeu.com.br

Mais fotos em nosso Flickr.

Autor: Mari Mellone e Renato Galani
E-mail: [email protected]

Essa dica foi útil para você? Por favor, então deixe um comentário e compartilhe também nas suas redes sociais. Este site é feito com muita dedicação e seu apoio/participação realmente nos ajudará a mantê-lo no ar.



TOP 6 DICAS PARA ECONOMIZAR NAS VIAGENS

  • SEGURO VIAGEM - Não faça a besteira de viajar sem um Seguro de Viagem. Na Europa é obrigatório! Faça uma cotação online para ver o quanto é barato viajar tranquilo. Pague no cartão de crédito em até 12x ou com desconto no boleto bancário. Use nosso cupom: VIAGENS5 para um desconto extra de 5%.
  • HOSPEDAGEM - Somos parceiros do Booking.com que garante os melhores preços de hospedagem em qualquer lugar no mundo! Você reserva antecipado, pode cancelar e alterar quando quiser. Faça a sua reserva através do nosso link.
  • CHIP DE CELULAR - Já saia do Brasil com seu Chip Internacional 4G funcionando. Tenha conexão em mais de 140 países para usar o Whatsapp, redes sociais e GPS. Já usamos o chip da EasySIM4u em diversos países e aprovamos.
  • GANHE 130 REAIS! - O Airbnb é a melhor maneira de alugar casas e apartamentos em locais únicos, com preços para todos os bolsos. Ganhe R$130 de desconto na sua primeira reserva acima de R$250. Aproveite!
  • ALUGUEL DE CARRO - Faça aqui sua cotação online entre as melhores locadoras no Brasil e no mundo. A RentCars é nossa parceira e oferece os melhores preços, em reais e sem IOF, com total segurança.
  • NOSSAS EXPEDIÇÕES - Participe das viagens que estamos organizando com nossos leitores! São roteiros exclusivos com o melhor dos destinos e hospedagens selecionadas. Junte-se aos nossos grupos VIPs e vamos viajar juntos.

LEIA TAMBÉM



Denunciar

Curtiu essa matéria?

Escrito por Mauricio Oliveira

Maurício Oliveira é social media expert, fotógrafo, videomaker, consultor de turismo, blogueiro, influenciador e empreendedor. CEO do Trilhas e Aventuras, conta suas experiências de viagens no blog Viagens Possíveis e criador de inovadoras ações de marketing de turismo, o BlogTur e o VIPBloggers. Ama o que faz no seu trabalho e nas horas vagas também gosta de viajar. Siga no Instagram e no Twitter, curta no Facebook, assista no Youtube e circule Mauricio Oliveira e Trilhas e Aventuras no Google Plus.

Comentários

Deixe um comentário
  1. Olá boa noite
    Tenho interesse em ser guia turístico na sua cidade,tenho dois anos de experiência como guia com bike,se houver interesse meu cel.(14)997121939.
    Fico no aguardo obrigada.

  2. Bom dia, gostaria de saber se vocês tem bike para alugar por uma semana, retirando e devolvendo em Timbo. Que tipo de bike ou se podem indicar quem aluga. Desde já agradeço Malu

  3. Assisti o globo reporte, e li sobre o casal q contou acima, sabe o q eu achei? Muita vontade de morar no canto desse, esse lugar parece um paraíso, a vontade e ir morar com meu filho aí, e arrumar um trabalho pra mim sustentar e sustentar meu filho.Fiquei apaixonada pelo o lugar. Quem sabe Deus mim da a oportunidade de conhecer.

  4. NOSSA DEVE SER MUITO BOM MAS TENHO DUVIDAS
    ESSA VIAGEM ELA É INDIVIDUAL VOCÊ LEVA O DINHEIRO E VAI SE HOSPEDANDO
    NAO TEM UM PACOTE FECHADO JA E TEMOS QUE LEVAR NOSSAS BICICLETAS
    AGUARDO RESPOSTA VALEU

    • Oi Daniel, exatamente. Você pode deixar tudo organizado antes mesmo de sair de casa.
      O ideal é fazer as reservas nos hotéis com antecedência para evitar surpresas (por ex: lotação).
      Sim, o cicloturismo é praticado com suas próprias bikes. 😉
      Abs

  5. Boa tarde! Vocês fizeram o roteiro sem guia ? Dá pra fazer tranquilo? o valor dos pacotes oferecidos é bem caro e pensei em fazer por conta com alguns amigos…

  6. Ola Maurício,parabéns pela descrição do roteiro,pretendo fazer também, fiquei em dúvida nos valores dos Hotéis que vc descreveu, fiz uma pesquisa no site (Parador da Montanha) e os valores estão muuuito acima. Apesar do roteiro que vcs fizeram em 2014.
    Abraço

    • Oi Mateus, a matéria não é minha. É uma colaboradora do site. O post é antigo tb. Eu divulguei pois foi o tema da semana do Globo Reporter. Sim, os tempos são outros e os valores mudaram bastante. Vale a pena pesquisar os preços dos hotéis pelo Booking. Use a nossa caixa de pesquisa aqui no rodapé do post. Abs 😉

  7. Gostaria de saber mais sobre cidade , me interessei para trabalhar sou formada em Téc de enfermagem e Administração de empresa se alguém que mora na cidade poder me ajudar eu agradeço com imenso carinho.

  8. gostaria de saber se na segunda quinzena de setembro16, é um periodo de clima e temperatura ideal para fazer o percuso? quais os fones de contato
    para reserva de byke e hoteis?

  9. Boa tarde a todos, meu nome é Matheus. 
    Achei extremamente interessante a experiência relatada por você na descrição da aventura iniciada na cidade de Timbó. 

    Estou planejando um passeio desse com alguns amigos e gostaria de saber 2 coisas, se pudesse me ajudar, ficaria muito grato. 

    Não existe a possibilidade de fazer a viagem e levar bicicletas. A cidade oferece algum serviço de aluguel de bicicletas? Ou caso não ofereça, terei de comprar? Vocês saberiam me falar os valores de aluguel o venda, mais em conta? Eu conseguiria de alguma outra forma uma bicicleta com valores em conta para fazer o ciclo turismo? 

    A segunda pergunta, é se o caminho desbravado na aventura oferece condições de acampamento, dessa forma usufruiria apenas do serviço de alimentação dos hotéis e pousadas. É possível acampar? 

    Muito obrigado pela atenção, parabéns pelo canal. É muito interessante.

    • Oi Matheus, não sabemos informar se há lojas para aluguel de bike na região. Sugerimos viajar com sua própria bike. Foi isso que os autores da matéria fizeram. Existem várias marcas de bike em lojas. Dê uma olhada na sua cidade para ver as que estão mais adequadas ao seu bolso. 😉

      Algumas cidades possuem lugares que permitem o camping. Mas não é certo. O ideal é procurar por pousadinhas mais em conta, pois sempre tem.

      Agradeço seu contato. Vamos tentar deixar essa matéria ainda mais completa.
      Abs

  10. Boa tarde amigos,
    Estava lendo sua matéria sobre o circuito Vale Europeu realizado em 8 dias. Por acaso você tem o roteiro/mapa deste passeio?
    Estou pensando em realizar um roteiro para fazer de carro. Tenho um grupo off road e seria interessante conhecer os lugares da região, mas minha dúvida fica em “qual caminho” seguir.
    Desde já, muito obrigado!!

  11. Oi MAURICIO!! Li todos os comentarios e perguntas e como todos aqui estou doidinha pra me planejar aqui para fazer esse passeio de bike, moro muito longe, bem longe mesmo de timbo, o problema maior é levar a bike.Sera que como vc ja fez o passeio, nao teria como nos ajudar indicando lugares pra chegar e como resolver a questao de alugar as bike? OU ate mais informaçoes que voce possa passar.

    • Oi Carol, esse circuito é um Cicloturismo, ou seja, o ideal é ser feito de bike mesmo. Tudo vai depender do seu ritmo, mas sugerimos que você faça uns treinos antes. Dê uma lida no relato acima… os próprios autores que já são acostumados a pedalar sentiram o peso das ladeiras. O preparo é sempre recomendado! 😉

  12. Pessoal, por causa do plugin de newsletter e os ícones de medias sociais flutuantes está quase impossível de acessar o site pelo celular. Obrigada

  13. Olá Mauricio!

    Estou planejando em fazer o roteiro entre 01 e 08 de Agosto e por enquanto irei sozinho, caso eu precise de algum reparo na Bike encontrarei fácil mente?
    Irei me preparar fisicamente, mas provavelmente será meu primeiro roteiro e sozinho, onde encontro dicas sobre roupas, quantidade de roupas e acessórios necessários?
    Obrigado!

    • Oi Ricardo, todo ciclista carrega consigo o básico para o reparo de um pneu furado e chaves pra bike. Mas imprevistos acontecem e as vezes temos que contar com a sorte e com a boa vontade das pessoas. Os moradores da região são muito simpáticos. Pode ir tranquilo.

      Sobre as roupas, leve o minimo possivel, use roupas leves, e se for inverno um bom casaco irá ajudar. Pense no básico e irá funcionar. 😉

  14. Mauricio,

    outra duvida, caso eu vá sozinho pensei em fazer metade do roteiro, você pode sugerir algum?
    pensei em fazer uma parte das cidades na 1ª vez e o restante numa próxima.

  15. Olá, estava lendo o relato do casal…. e comparando o roteiro deles com o disponível no site do circuito vale europeu percebi que ele o fizeram ao contrario!!! é isso mesmo??? Obrigada

  16. Olá Mauricio !!

    Não tenho como levar minha bicicleta consigo alugar uma lá mesmo? E sou fã de rapel, consigo lá algum alguma agência de rapel?

  17. Ola tudo bem? Gostaria de fazer esse roteiro, mas quero levar meu filho de 11 anos, ele ja pedala comigo. Vc acha que daria para leva lo ? Gostaria de saber das subidas se sao muito ingrimes..

    • Oi Maria, se ele aguenta pedalar por longas distâncias, pode levá-lo sim. Você conhece seu filho melhor do que qualquer um. 😉
      As subidas variam. Tem algumas íngremes, mas daí é só descer da bike e subir caminhando curtindo a paisagem. Abs

  18. Oi Mauricio, tudo bem?
    Achei sensacional o circuito feito.

    Moro em BH, e no caso teríamos que ir direto pro sul e fazer a viagem de bike, correto? Como foi a volta? Tem algum mapa do circuito?

    No caso, iríamos agora em julho. Muito castigante ir nesse frio, rs?

    • Oi Ana, esteja preparada para o frio, Hehehe.
      Sim, você tem que organizar tanto a ida quanto a volta.
      Dê uma olhada no Google Maps, colocando as cidades que deseja passar.
      Assim você terá uma noção maior de como são as distâncias e locais.
      Bjs.

  19. olá mauricio..
    como vcs fizeram com bagagem? levaram algum alforges nas bikes ou apenas uma mochila?
    estou planejando em fazer este percurso em janeiro de 2017, com com certeza esse post servirá de base para o meu passeio..
    obrigado por compartilhar..

    abs

    Anderson

  20. Somos de Rio das Pedras SP.Estamos planejando fazer este trajeto entre os dias 12/30 de Novembro 2016.Encaixar uma semana, pouco mais, talvez, dentro deste prazo.
    Minha esposa e eu estamos sozinhos nessa. Se caso alguem quiser juntar estaremos mais tranquilos. uma boa companhia é sempre bem vinda.
    Não conhecemos nada ainda. A ideia é desbravar. A aventura é a melhor forma de se divertir.

  21. Olá, sensacional essa viagem. Você fizeram tudo por conta ou usaram alguma agência de turismo? Se foi por conta fizeram as reservas antes em cada pousada ou foram indo e vendo o que dava certo? Como sabiam que caminho iam tomar? Obrigada

  22. Bom Dia,
    Pretendo fazer essa Expedição de Cicloturismo do Vale Europeu, então poderia informar quais as Empresas credenciadas para execução desse serviço?

  23. Gostaria de fazer a pé. Há estrutura de pousadas para quem deseja fazer a caminhada? No máximo 30km distantes uma das outras? Ou cidades com hotéis/pousadas/albergues que se enquadrem nessa condição?

  24. boa noite, eu e minha esposa estamos muito afim de fazer esse passeio somos de jau/sp
    gostaria que vc nos orientasse sobre o que levar neste trajeto como: roupas e equipamentos para as bike
    obrigado
    jose elias

    • Oi José, pense sempre q vc carregará tudo na bike. Então viajar leve é prudente pra não carregar peso a toa. Se vc for em época quente, opte por roupas leves. Caso vá no inverno, tenha roupas térmicas apropriadas. Quanto a equipamento, é o básico… kit de reparos de pneus, cantil, etc.

  25. oi mauricio
    estamos pensando em fazer em menos dias , vc pode me dar uma dica de qual ponto
    que é menos pesado pra gente pular e passar sem parar?
    obrigado

    • Oi Vivi, nas cidades tem lugar onde comer sim. Não tenho conhecimento de pequenos restaurantes nas estradas. É bom se planejar direitinho pra não ficar com fome entre um trecho e outro. Leve alguns lanches para garantir. Vai ser incrível! 🙂

  26. Bom dia! Estou programando fazer uma prova (concurso) na cidade de Orleans SC e acho que é o momento de eu conhecer o tão sonhado Vale Europeu… Acho que a melhor forma seria fazendo o trajeto de cicloturismo. Vocês indicam alguma empresa, algum grupo? Não pretendo fazer sozinho. E minha prova será 6 de maio, vocês aconselham fazer antes ou depois? Favor, qualquer coisa podem falar no provado. Um abraço! …e mais uma coisinha: fui atleta de triatlo/ciclismo por muitos anos, mas mountain bike não entendo muita coisa, eheh… vocês fazem o trajeto com sapatilha de mountain bike ou usam tênis/firma pé? Tenho bike de ciclismo, mas não tenho mountain bike, eu conseguiria alugar, teria alguma empresa pra fazer isso, ou seria aconselhável comprar, valeria a pena o custo benefício? Quem puder me dar uma força pra trocar ideias, agradeceria demais!

  27. Bom dia Mauricio,

    estou me programando para fazer esse passeio em dezembro, queremos passar o Natal e o Ano nova no circuito, nessa epoca teremos suporte, de pousadas e restaurantesW
    obrigado

  28. Hola meu nome e Sandra eu fazo ciclismo e descobri esa ruta uma vista au Brasi….y quero vir a facela.Gostaria que me dezesem cual e a melhor epoca do ano pra vir…..y se tem empresa que programe u circuto au turista …y tambem se poso alugar uma bicicleta alli ..porque nou poso trazer a minha.
    Se puderem me ayudar com a informasao. ..muito obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Muita aventura na Travessia Petrópolis – Teresópolis (RJ)

Uma inusitada lembrança do continente Africano