in ,

O que fazer no Pantanal – MS

São muitas as atividades que podem ser praticadas no Pantanal. Dentre elas, cavalgadas, observação de aves, pesca esportiva, rafting, safari fotográfico diúrno e noturno, off-road, observação de animais, e outros.

FAUNA

A fauna pantaneira é muito rica, provavelmente a mais rica do planeta. Há 650 espécies de aves (no Brasil inteiro estão catalogadas cerca de 1800). A mais espetacular é a arara-azul-grande, uma espécie ameaçada de extinção. Há ainda tuiuiús (a ave símbolo do Pantanal), tucanos, periquitos, garças-brancas, jaburus, beija-flores (os menores chegam a pesar dois gramas), socós (espécie de garça de coloração castanha), jaçanãs, emas, seriemas, papagaios, colhereiros, gaviões, carcarás e curicacas.

No Pantanal já foram catalogadas mais de 1.100 espécies de borboletas. Contam-se mais de 80 espécies de mamíferos, sendo os principais a onça-pintada (atinge a 1,2 m de comprimento, 0,85 cm de altura e pesa até 200 kg), capivara, lobinho, veado-campeiro, veado catingueiro, lobo-guará, macaco-prego, cervo do pantanal, bugio (macaco que produz um ruído assustador ao amanhecer), porco do mato, tamanduá, cachorro-do-mato, anta, preguiça, ariranha, suçuarana, quati, tatu etc.

A região também é extremamente piscosa, já tendo sido catalogadas 263 espécies de peixes: piranha (peixe carnívoro e extremamente voraz), pacu, pintado, dourado, cachara, curimbatá, jaú e piau são as principais encontradas.

Há uma infinidade de répteis, sendo o principal o jacaré (jacaré-do-pantanal e jacaré-de-coroa), cobras (sucuri, jibóia, cobras-d’água e outras), lagartos (camaleão, calango-verde) e quelônios (jabuti e cágado).

FLORA

A vegetação pantaneira é um mosaico de três regiões distintas: amazônica, cerrado e chaco (paraguaio e boliviano). Durante a seca, os campos se tornam amarelados e não raro a temperatura desce a níveis abaixo de 0 ºC, influenciada pelos ventos que chegam do sul do continente.

A vegetação do Pantanal não é homogênea e há um padrão diferente de flora de acordo com o solo e a altitude. Nas partes mais baixas, predominam as gramíneas, que são áreas de pastagens naturais para o gado — a pecuária é a principal atividade econômica do Pantanal. A vegetação de cerrado, com árvores de porte médio entremeadas de arbustos e plantas rasteiras, aparece nas alturas médias. A poucos metros acima das áreas inundáveis, ficam os capões de mato, com árvores maiores como angico, ipê e aroeira.

Em altitudes maiores, o clima árido e seco torna a paisagem parecida com a da caatinga, apresentando espécies típicas como o mandacaru, plantas aquáticas, piúvas (da família dos ipês com flores róseas e amarelas), palmeiras, orquídeas, figueiras e aroeiras.

pantanal-ms-2

PARQUE NACIONAL

Parque Nacional do Pantanal – PARNA

Em todo o Pantanal a área reservada oficialmente – como parque e estação ecológica – se restringe a apenas 135.000 hectares de terras inundadas, isto é, apenas 1% da área total do Pantanal. Existe apenas uma Reserva Ecológica oficialmente implantada pelo IBAMA.

É a única reserva ecológica em todo território alagado oficialmente mantida pelo IBAMA. Uma área de 135.000 hectares compreendida entre os rios Paraguai e São Lourenço (Cuiabá), nas fraldas da Serra do Amolar. Esta grande área está totalmente localizada dentro do Estado de Mato Grosso. Grande parte desta área, isto é, 90 % aproximadamente está totalmente alagada, durante o ano todo.

Situada numa região de difícil acesso, sendo a via fluvial a mais utilizada para se chegar até lá. Mesmo quando se quer alcançar a região por via aérea, com pequenos aviões, a dificuldade será a de achar um pista de pouso. Com autorização prévia, pode-se pousar na pista da Fazenda Acurizal, bem no pé da Serra do Amolar.

PESCA ESPORTIVA

A beleza do Pantanal deve-se principalmente à sua peculariedade geográfica. Numa área extremamente plana, com altitudes que não ultrapassam os 200 metros acima do nível do mar, a região apresenta um declive entre os extremos norte e sul de menos de 3 cm por quilômetro. É essa característica que faz com que dois terços do seu território se transformem periodicamente em descampados ou imensas lagoas, num movimento constante que dita os hábitos da população, da fauna e da ictiofauna local.

Embora, com em qualquer local do planeta, apareçam de tempos em tempos mudanças radicais e inesperadas, os ciclos climáticos do Pantanal, funcionam mais ou menos assim:

  • De dezembro a março chove muito, a vegetação ganha nova vida; os animais e aves migram para as parte mais altas, concentrando-se à beira das estradas que resistem à inundação; os peixes num processo instintivo e biológico, procuram as corredeiras nas nascentes dos rios.
  • Em abril e maio as chuvas cessam, mas o cenário é quase o mesmo, pois o nível das águas é muito alto.
  • Junho e julho são os meses dos quais se pode ter um misto dos dois mundos pantaneiros, o seco e o da cheia. O nível da água começa a baixar e peixes, animais e pássaros são mais abundantes. Sem esquecer é claro, que durante esses dois meses a probabilidade de se confrontar das inesperadas e passageiras frentes-frias vindas do sul é bem maior.
  • De agosto a novembro percebe-se o nível da água baixar sensivelmente, pondo a descoberto os barrancos e as praias nas margens do rio.

Nos últimos anos, num ritmo crescente, homens e bichos nativos vem dividindo seu território com turistas munidos de varas, carretilhas, máquinas e binóculos. É aí que entra em cena uma as atividades mais procuradas pelos visitantes nos últimos anos, o turismo da pesca esportiva e amadora.

Pescar no Pantanal é o sonho de todos os amantes deste esporte. Mesmo para aqueles que já estão acostumados a exercitar sua paciência, técnica e valentia, à bordo de um barco pelas piscosas águas pantaneiras, sempre haverá uma nova emoção a ser experimentada – um novo local, um rio diferente ou um peixe nunca antes pescado. A bem da verdade o Pantanal não é só um imenso reduto de pesca, como muita gente imagina. É um paraíso intocado, que deveria ser visitado por milhares de turistas durante o ano todo. Mas a maioria de donos de hotéis e barcos turísticos da região ainda não tomaram consciência disto. E quando chega novembro, até o final de janeiro, tudo lá entra na mais profunda “hibernação”, apesar de ser o período em que o Pantanal é mais bonito de ser ver – verão de 40°C, rios com nível d’água bem baixos, lagoas secando, piracema, flores exóticas brotando por todo lado, bandos de tuiuiús, jacarés, antas, capivaras, uma bicharada sem fim, esbanjando euforia.

pantanal-ms-9

TREM DO PANTANAL

O velho trem que atravessa o Pantanal está de volta. Após 18 anos parado, o Pantanal Express parte, todos os finais de semana, em uma viagem por algumas das mais belas paisagens brasileiras. Todo o percurso do trem está dentro do Mato Grosso do Sul. São 220 quilômetros que ligam a capital Campo Grande a Miranda, no leste do Estado. A primeira metade do trajeto é marcada pelo cerrado: grandes pastagens, com presença de rebanhos de gado e formações rochosas.

Chegando à estação do município de Aquidauana, o trem para por duas horas e meia e permite aos passageiros desfrutarem do local onde começa a transição para a mata verde de solo úmido. Passeios de barco e a cavalo são opções para preencher o intervalo da viagem, assim como a degustação de pratos típicos à base de peixes. De Aquidauana, a composição segue até Miranda, num trecho em que os passageiros podem observar, pelas janelas, algumas espécies típicas da região, como tucanos e arara-azul.

Trem do Pantanal
Partidas de Campo Grande aos sábados, às 7h30. Chegada em Miranda às 18h. Retorno aos domingos, às 8h30, chegando na capital às 19h15.
Tel: (67) 3029-0759
Site: www.pantanalexpress.com

CIDADES VIZINHAS AO PANTANAL

Aquidauana

O rio que dá nome ao município corta a cidade rumo ao Pantanal. Com águas mansas, forma praias movimentadas nos finais de semana, frequentadas por moradores e visitantes que aproveitam para praticar esportes náuticos, tomar banho e pescar.

Depois de curtir o rio, a dica é apreciar a flora e a fauna típicas pantaneiras. A diversidade se espalha pelos parques naturais como o Pirizal, o João Dias e a Lagoa Comprida, frequentados, principalmente, pelas aves. Vale visitar também as aldeias indígenas nos arredores de Aquidauana. Além de conhecer o dia a dia dos índios, aproveite para adquirir o artesanato típico.

pantanal-ms-15

Corumbá

Uma das principais cidades do chamado Pantanal Sul, Corumbá é ponto de partida para um dos mais belos passeios da região: o que atravessa a Estrada-Parque do Pantanal. São 120 quilômetros de terra e 87 pontes de madeira, em um verdadeiro zoológico a céu aberto – durante o trajeto, observa-se de araras e tuiuiús a jacarés, capivaras, veados e sucuris. A viagem pela estrada aberta no fim do século 19 pelo Marechal Cândido Rondon inclui, ainda, uma travessia de balsa sobre o rio Paraguai. A melhor época para fazer o passeio é entre os meses de maio e setembro, quando chove menos e fica mais fácil observar a rica fauna.

Corumbá fica às margens do rio Paraguai, sendo inevitável curtir uma pescaria. A fartura e a variedade de peixes – são mais de duzentas espécies – enchem os olhos dos pescadores, que lá fisgam piranhas, pintados, pacus, piraputangas, dourados… É preciso, porém, ficar atento ao período da piracema, entre novembro e março, quando a prática da atividade é proibida. Já outubro é mês de festa, com a realização do Festival Internacional de Pesca do Pantanal.

Quando o assunto é cultura, a cidade também dá show. Na área do porto, o casario colonial do século 19 foi restaurado e tombado pelo Iphan. Por ali fica o Museu de História do Pantanal, que apresenta a região através de fotos, maquetes, painéis e recursos audiovisuais. Já os fortes da região guardam muitas histórias, além de descortinarem belas vistas panorâmicas. No Coimbra (1755), os destaques são os canhões ingleses e norte-americanos; enquanto no Junqueira (1871), a construção em pedra calcária divide a atenção com os 12 canhões originais.

Para conhecer um pouco mais sobre a flora e fauna do Pantanal, visite a Estação Natureza, um museu interativo mantido pela Fundação O Boticário. Os belos animais e plantas regionais são também os temas do artesanato local, encontrado na Casa do Artesão e na Casa de Massabarro.

Miranda

A maneira mais interessante de chegar em Miranda é embarcando no Trem do Pantanal que, depois de 18 anos parado, volta a fazer uma das mais bonitas viagens do país. As composições partem de Campo Grande aos sábados rumo à cidade a 220 quilômetros da capital.

A primeira metade do trajeto é marcada pelo cerrado: grandes pastagens, com presença de rebanhos de gado e formações rochosas. Chegando à estação do município de Aquidauana, o trem para por duas horas e meia e permite aos passageiros desfrutarem do local onde começa a transição para a mata verde de solo úmido. Passeios de barco e a cavalo são opções para preencher o intervalo da viagem, assim como a degustação de pratos típicos à base de peixes.

De Aquidauana, a composição segue até Miranda, num trecho em que os passageiros podem observar, pelas janelas das composições, algumas espécies típicas da região, como tucanos e araras-azuis. A viagem de volta acontece aos domingos.

Uma vez no Centro de Miranda, o destaque fica por conta da preservada arquitetura do início do século 20. Nos arredores, vale curtir as variadas opções de hospedagens, cada vez mais preparadas para o ecoturismo. Muitos hotéis e pousadas funcionam em fazendas confortáveis e oferecem atividades para observar os animais pantaneiros. Entre elas estão cavalgadas, trilhas, safáris fotográficos e focagem noturna de jacarés.

Antes de embarcar, fique atento às peculiaridades de cada estação – a das cheias, por exemplo, vai de dezembro a março e é marcada pelas chuvas intensas, que alagam parte do Pantanal. O período apresenta temperaturas ainda mais altas e é ideal para se observar as aves. Os mamíferos são mais raros nessa época, pois fogem das águas e se escondem nas partes mais altas, as chamadas cordilheiras.

Já entre julho e setembro, a seca transforma a região em uma área de pastagens imensas. É o período ideal para se conferir as características dos mamíferos. Sem falar que em agosto, pouco antes do início da primavera, as árvores começam a florescer. O período intermediário entre a cheia e a vazante – de abril a maio – é marcado pela formação de lagoas e poças de água que represam algumas das 260 espécies de peixes (dourados, pintados, pacus, piranhas, traíras), proporcionando o aparecimento de seus predadores, como aves e jacarés.

pantanal-ms-4

pantanal-ms-1

Essa dica foi útil para você? Por favor, então deixe um comentário e compartilhe também nas suas redes sociais. Este site é feito com muita dedicação e seu apoio/participação realmente nos ajudará a mantê-lo no ar.



TOP 6 DICAS PARA ECONOMIZAR NAS VIAGENS

  • SEGURO VIAGEM - Não faça a besteira de viajar sem um Seguro de Viagem. Na Europa é obrigatório! Faça uma cotação online para ver o quanto é barato viajar tranquilo. Pague no cartão de crédito em até 12x ou com desconto no boleto bancário. Use nosso cupom: VIAGENS5 para um desconto extra de 5%.
  • HOSPEDAGEM - Somos parceiros do Booking.com que garante os melhores preços de hospedagem em qualquer lugar no mundo! Você reserva antecipado, pode cancelar e alterar quando quiser. Faça a sua reserva através do nosso link.
  • CHIP DE CELULAR - Já saia do Brasil com seu Chip Internacional 4G funcionando. Tenha conexão em mais de 140 países para usar o Whatsapp, redes sociais e GPS. Já usamos o chip da EasySIM4u em diversos países e aprovamos.
  • GANHE 130 REAIS! - O Airbnb é a melhor maneira de alugar casas e apartamentos em locais únicos, com preços para todos os bolsos. Ganhe R$130 de desconto na sua primeira reserva acima de R$250. Aproveite!
  • ALUGUEL DE CARRO - Faça aqui sua cotação online entre as melhores locadoras no Brasil e no mundo. A RentCars é nossa parceira e oferece os melhores preços, em reais e sem IOF, com total segurança.
  • NOSSAS EXPEDIÇÕES - Participe das viagens que estamos organizando com nossos leitores! São roteiros exclusivos com o melhor dos destinos e hospedagens selecionadas. Junte-se aos nossos grupos VIPs e vamos viajar juntos.

LEIA TAMBÉM



Denunciar

Curtiu essa matéria?

Escrito por Mauricio Oliveira

Maurício Oliveira é social media expert, fotógrafo, videomaker, consultor de turismo, blogueiro, influenciador e empreendedor. CEO do Trilhas e Aventuras, conta suas experiências de viagens no blog Viagens Possíveis e criador de inovadoras ações de marketing de turismo, o BlogTur e o VIPBloggers. Ama o que faz no seu trabalho e nas horas vagas também gosta de viajar. Siga no Instagram e no Twitter, curta no Facebook, assista no Youtube e circule Mauricio Oliveira e Trilhas e Aventuras no Google Plus.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

0 comentários

Onde ficar no Pantanal – MS

Saiba mais sobre Fernando de Noronha – PE